28 de mai de 2012

Faltas para exposição de beleza do buldogue francês.

Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade. • trufa estreita ou pontuda e roncadores crônicos. • lábios que não se tocam à frente. • despigmentação dos lábios. • olhos claros. • barbelas. • cauda portada alta, muito longa ou anormalmente curta. • cotovelos abertos. • jarrete de porco ou deslocado para a frente. • passadas incorretas. • pelos muito longos. • pelagem com cores salpicadas. FALTAS GRAVES • incisivos à mostra com a boca fechada. • língua à mostra com a boca fechada. • andadura com movimentos rígidos nos anteriores (cão batendo tambor). • despigmentação na cabeça, exceto no caso previsto no padrão dos fulvos tigrados c om ma n c h a s b r a n c a s mé d i a s e d o s f u l v o s c om ma n c h a s l imi t a d a s o u predominantes. • peso excessivo ou insuficiente. Desqualificações. • agressividade ou timidez excessiva. • trufa de outra cor que não a preta. • lábios leporinos. • incisivos inferiores em articulação atrás dos superiores. • exemplares com os caninos à mostra com a boca fechada. • olhos de cores diferentes. • orelhas não portadas empinadas. • mutilação das orelhas, da cauda ou dos ergôs. • anurismo. • ergôs nos posteriores. • pelagem preta e castanho, cinza rato ou marrom. NOTAS: • Os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal. • Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

Tamanho e peso do buldogue francês.

O peso não deve ser inferior a 8 quilos, nem superior a 14 quilos. Para um Buldogue em bom estado, o talhe é proporcional ao peso.

Movimentação do buldogue francês.

Passadas fluentes, com os membros deslocando-se paralelamente ao plano médio do corpo.

Membros anteriores do buldogue francês.

Vistos de perfil e de frente, são aprumados, paralelos e bem separados. Ombros: curtos, grossos, revelando uma musculatura firme e aparente. Braços: curtos. Cotovelos: trabalham estreitamente ajustados ao corpo. Antebraços: curtos, bem afastados, retos e musculosos. Carpos e metacarpos: sólidos e curtos. POSTERIORES: fortes e musculosos, um pouco mais longos que os anteriores, elevando, assim, o trem posterior. Vistos por trás e de perfil, as pernas são verticais e paralelas. Coxas: musculosas, firmes, sem serem muito arredondadas. Jarretes: bem descidos, nem muito angulados, nem, principalmente, muito retos. Metatarsos: sólidos e curtos. O Buldogue Francês deverá nascer sem ergôs. PATAS: as patas anteriores são redondas, pequenas, chamadas pés de gato, bem pousadas no solo, ligeiramente voltadas para fora. Os dedos são bem compactos, de unhas curtas, grossos e bem separados. As almofadas plantares e digitais são duras, espessas e pretas. Nos exemplares tigrados, as unhas devem ser pretas. Nos particoloridos (tigrados fulvos e brancos), e nos fulvos, a preferência será pelas unhas escuras, sem, entretanto, penalizar as unhas claras. As patas posteriores são bem compactas.

Região Craniana, região facial, canal nasal, lábios, maxilares, dentes, faces, olhos, orelhas, pescoço, tronco, e, cauda do buldogue francês. Fonte CBKC e FCI.

REGIÃO CRANIANA Crânio: largo, quase plano com a testa muito arqueada. Arcadas superciliares proeminentes, separadas por um sulco sagital particularmente desenvolvido entre os olhos. O sulco não se prolonga para a testa. Crista occipital muito pouco desenvolvida. Stop: profundamente acentuado. REGIÃO FACIAL Trufa: larga, muito curta, arrebitada, com narinas bem abertas, simétricas e inclinadas obliquamente para trás. A inclinação das narinas bem como a trufa arrebitada devem todavia permitir a respiração nasal normal. Cana nasal: larga, muito curta, apresentando pregas centrais simétricas, descendo sobre os lábios superiores (comprimento 1/6 do comprimento total da cabeça). Lábios: espessos, um pouco soltos e pretos. O lábio superior junta-se uniformemente com o inferior e oculta completamente os dentes que jamais devem estar visíveis. O perfil do lábio superior é descendente e arredondado. A língua jamais deve ficar à mostra. Maxilares: largos, quadrados, e poderosos. A mandíbula descreve uma curva ampla, projetando-se à frente dos maxilares. Com a boca fechada, a proeminência da mandíbula (prognatismo) é moderada pela curvatura dos ossos mandibulares. Essa curvatura é necessária para evitar um afastamento muito grande da mandíbula. Dentes: os incisivos inferiores de modo algum podem estar atrás dos superiores. A arcada dos incisivos inferiores é arredondada. Os maxilares não podem apresentar desvio lateral nem torção. O afastamento das arcadas dos incisivos não é rigorosamente limitado, a condição essencial é que os lábios superiores e inferiores se fechem bem justos de forma a ocultar completamente os dentes. Faces: os músculos são bem desenvolvidos, mas sem relevo. Olhos: expressão alerta, de inserção baixa, bem longe da trufa e, principalmente, das orelhas; de cor escura, bastante grandes, bem redondos, ligeiramente protuberantes, sem deixar aparente qualquer traço do branco (esclerótica) quando o exemplar olha direto para a frente. A borda das pálpebras é preta. Orelhas: de tamanho médio, largas na base e arredondadas na ponta. Inseridas no alto da cabeça, sem ficarem muito próximas, e portadas eretas. A abertura da concha acústica é voltada para a frente. A pele é fina e macia ao toque.6 PESCOÇO: curto, ligeiramente arqueado, sem barbelas. TRONCO Linha superior: progressivamente ascendente no lombo para descender rapidamente na direção da cauda. Esse perfil da linha superior deve ser almejado por causa do lombo curto. Dorso: largo e musculoso. Lombo: curto e largo. Garupa: inclinada. Peito: cilíndrico e bem profundo, costelas chamadas em barril, muito arqueadas. Antepeito: amplamente aberto. Ventre: retraído sem ser esgalgado. CAUDA: curta, de inserção baixa na garupa, rente às nádegas, grossa na raiz, em espiral ou quebrada naturalmente e afilada na ponta. Mesmo em movimento, deve ser portada abaixo da horizontal. A cauda relativamente longa (sem ultrapassar a ponta do jarrete), quebrada e afilada, é admitida, mas não almejada.

Padrão da raça de acordo com a Confederação Brasileira de Cinofilia.

GRUPO 9 Padrão FCI 101 06/04/1998 Padrão Oficial da Raça BULDOGUE FRANCÊS BOULEDOGUE FRANÇAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération Cynologique Internationale Classificação F.C.I.: Grupo 9 - Cães de Companhia Seção 11 - Cães Molossos de Pequeno Porte Padrão FCI n o 101 - 06 de abril de 1998. País de origem: França Nome no país de origem: Bouledogue Français Utilização: Companhia, guarda e lazer Sem prova de trabalho Sergio Meira Lopes de Castro Presidente da CBKC Domingos Josué Cruz Setta Presidente do Conselho Cinotécnico Tradução: Bruno Tausz Revisão: Suzanne Blum Impresso em: 18 de abril de 2012.

Quanto custa um Buldogue Francês?

O preço de um Buldogue é determinado pela qualidade dos seus antecedentes. Se você está procurando um cão que cumpra religiosamente todos os quesitos do padrão da raça e pretende levá-lo a exposições e concursos, esteja preparado para investir um bom dinheiro. Se a ninhada for descendente de campeões de concursos, os filhotes serão muito valorizados e consequentemente, bem caros. O custo de um cão adulto e de boa linhagem, que será usado como padreador (macho que irá cruzar) ou matriz (fêmea que dará a luz a ninhadas) também é muito alto, visto que as pessoas que pretendem comprar visam a criação da raça e consequentemente acabarão lucrando. Mas, se você quer apenas uma companhia e um amigo inseparável, e não se importa se seu cão é filho de campeão ou não, pode adquirir o seu filhote sem se preocupar se ele é filho de um cão vencedor de exposições. Note, porém, que mesmo assim é preciso procurar um criador sério e responsável, que se preocupa com seus cães, que faz exames frequentemente para evitar o cruzamento de cães doentes e que nõ abuse dos seus animais para fazer dinheiro. Nunca compre um cão em uma pet shop. Cães de pet shop tem a procedência duvidosa. Normalmente são pessoas sem nenhuma experiência, que compram uma raça cara para depois fazer dinheiro. Muitas vezes exploram seus cães, chegando até a fazer a fêmea parir toda vez que entra no cio, o que é uma irresponsabilidade e um abuso com as cadelas. Por fim, comprando um Buldogue Francês como pet, você vai adquirir uma raça dentro do padrão (se comprar de um criador sério), com todas as características físicas e temperamentais, e pagar um preço bem mais barato do que em um filho de campeão.

Saúde e manutenção do buldogue francês.

O Buldogue Francês também precisa de diversos cuidados especiais. • Ele precisa estar sempre arejado e fresco, não podendo em hipótese alguma ficar com muito calor. A troca de calor é feita pelos cães através da salivação e do focinho, e como cães com a “cabeça achatada” tem um focinho muito curto, ficam prejudicados neste quesito. Saiba tudo sobre cães braquicefálicos e aprenda a cuidar bem do seu Buldogue Francês. • Podem ter problemas de ouvido. • É bom estar atento às rugas da face, limpando-as com frequência. A limpeza pode ser feita com soro fisiológico e algodão. Tome cuidado para não deixar o local úmido. Seque bem. • Precisam de pouco exercício. Se você notar que seu cão está cansado, pare. Uma caminhada curta de 15 minutos é o suficiente pra suprir suas necessidades. • A maioria não consegue nadar. O melhor é não incentivá-lo. Buldogues não são cães ligados à água, como os retrievers, por exemplo. • Não crie Buldogues no quintal. É uma raça que além de ser apegada ao dono, não lida bem com mudanças climáticas. É uma raça para viver em apartamento, confortavelmente, com temperatura amena e ao lado do seu dono. • Buldogues Franceses roncam, como todo cão sem focinho. Esteja preparado para isso. • Não é preciso tosá-los.

Inteligência. O buldogue francês é uma cão inteligente?

Ele se destaca quando o assunto é associar causa e efeito dos acontecimentos. É do tipo que sabe quando os donos estão de saída só por vê-los se arrumando e que reconhece a hora do passeio porque alguém pegou a coleira. Também resolvem alguns probleminhas por conta própria. Como são calorentos, não é raro que, em dias quentes, virem a vasilha de água para deitar sobre o chão molhado ou mesmo que entrem nela para uma refrescada mais caprichada. Justamente por isso, os criadores experientes recomendam cautela. Há casos de exemplares que optaram por mergulhar nas piscinas da casa. Acabaram afogados por não conseguir sair delas.O Buldogue é o 58º no ranking de inteligência.

O buldogue francês é muito agitado?

O Buldogue Francês é medianamente ativo. Gosta de brincar com pessoas, com outros cães e até sozinho. Também nunca dispensa convites para atividades mais enérgicas. O focinho achatado, no entanto, que interfere na respiração, impede que tenha grande resistência. Os donos, por sua vez, devem evitar que ele extravase sua energia. Há relatos de exemplares que, por terem se agitado demais, acabaram com graves complicações cardiorespiratórias. O lado sossegado da raça também se manifesta com freqüência. O Buldogue é daqueles que ficam horas assistindo à TV ao lado da família.

Temperamento do buldogue francês.

Temperamento O temperamento do Buldogue Francês também confere um tom especial à raça, são cães normalmente alegres, calmos, companheiros, brincalhões e muito inteligentes. Como todas as raças de companhia, eles necessitam, acima de tudo, de contato constante com humanos. Suas necessidades de exercícios são mínimas e variam de cão para cão. Sua natureza calma os torna grandes escolhas para aqueles que vivem em apartamento, assim como sua falta de interesse em latir. Sendo uma raça de cara achatada, é essencial que seus futuros donos entendam que Buldogues Franceses não devem viver fora de casa. Seu sistema de respiração comprometivo não os permitem regular suas temperaturas eficientemente. Além do mais, os Bulldogs Franceses são bem pesados e podem ter dificuldade em nadar. Sempre cuidado quando exercitar seu Buldogue Francês no calor. O nível de energia de um Buldogue Francês pode variar de hiperativo e energético até a relaxado e calmo. Mas geralmente é comum que o filhote seja mais ativo até os 12 ou 18 meses, quando ele se torna efetivamente um adulto e começa a acalmar. O Buldogue Francês é uma raça essencialmente com sangue bull e sangue terrier. Portanto, não é nenhuma surpresa que os problemas podem surgir quando dois cães dessa raça se juntam, principalmente quando são do mesmo sexo. Donos que estão considerando adicionar um segundo cão à sua família são geralmente advertidos e aconselhados a escolherem cães de sexo oposto. A castração pode fazer muito a fim de ajudar a diminuir essas tendências antes mesmo delas começarem. Com a família Ele até escolhe um dono preferido, mas é festeiro com todos da casa. Adora colo, carinho e demonstrações de afeto em geral. Embora não seja particularmente absorvente, não perde uma oportunidade de se aproximar para ganhar um cafuné. Recebe as pessoas com alegria e, se não for desestimulado desde cedo, com muitas lambidas de amor. Também é de seguir os donos pela casa, oferecendo companhia em tempo integral. Com pessoas estranhas Salvo Buldogues que crescem enclausurados e afastados do convívio social, o que não é nada indicado, os cães da raça são simpatia pura com todo mundo. Podem dar três ou quatro latidos para avisar que as visitas chegaram, mas nada que represente hostilidade. Pelo contrário. Já recepcionam os visitantes abanando a cauda, que, aliás, de tão curta, ocasiona um típico rebolado geral na região posterior. Também pede carinho aos convidados e, volta e meia, os chama para brincar, levando seus brinquedos até eles. Com crianças Se ele crescer longe do convívio com a garotada, pode se assustar quando for apresentando à típica energia ruidosa dos baixinhos humanos. Sua tendência, contudo, é manifestar seu receio procurando um recanto escondido e não se mostrando agressivo. Já exemplares acostumados com crianças tendem a ser tolerantes com elas e receptivos às suas brincadeiras. Vale lembrar que o Buldogue Francês, por ser pequeno, pode sair machucado se a folia passar dos limites. Por isso, supervisione a relação caso os pimpolhos sejam muito pequenos ou estejam muito agitados. Com outros cães e animais Nem sempre o convívio entre exemplares machos – seja dois Buldogues ou um Buldogue e um cão de outra raça – funciona. Há vários relatos de conflito. Por outro lado, há também diversos casos de amizade harmoniosa. O sucesso ou fracasso dessa relação parece regido pelo espírito de liderança dos cães envolvidos: é importante que haja no máximo um líder na história. Já entre fêmeas, embora haja exceções, o convívio tende a ser pacífico. E com outros animais, desde que o Buldogue tenha crescido com eles, o dia-a-dia é promessa de paz e união. De forma geral, no entanto, os exemplares da raça tendem a aceitar os bichos com os quais convivem e não os desconhecidos. Por isso, se a idéia é introduzir um novo colega do reino animal no território de um Buldogue adulto, recomenda-se um período de adaptação devidamente supervisionado. O Buldogue Francês late muito? Discreto por natureza, o Buldogue Francês late pouco e, quando o faz, é em tom rouco e baixo. Só se manifesta com latidos quando chegam visitas ou diante de acontecimentos que fujam da rotina. Mesmo assim, histeria não é com ele. Dá o seu aviso e logo se aquieta novamente. A vizinhança agradece. Destrutividade Na infância, especialmente na fase de troca dos dentes, ele até apronta suas travessuras. Mesmo assim, nada de excepcional nem que não seja facilmente contornado com a devida orientação da família e com oferecimento de brinquedos apropriados. Quanto aos adultos, o mais comum é que não desapontem a família. Os raros casos de exemplares destruidores estão associados a donos significativamente ausentes e a ambientes desestimulantes, sem brinquedos nem qualquer tipo de atração para os cães. Obediência Ele não é dos mais obedientes. Mas, graças à natureza bem-comportada e pouco destruidora, as teimosias da raça não costumam se transformar em problemas de convívio. No conhecido ranking de obediência canina publicado no livro A Inteligência dos Cães, do psicólogo Stanley Coren, o Buldogue Francês obteve a 58a colocação entre as 79 estabelecidas. A avaliação do resultado detalha: os exemplares da raça tendem a repetir um mesmo exercício de adestramento por mais de 25 vezes até que demonstrem compreendê-lo. E geralmente só o assimilam totalmente após expostos a ele de 40 a 80 vezes. No dia-a-dia, contudo, quando a questão principal é seguir as normas domésticas e respeitar as vontades dos donos, o estilo desobediente exige apenas uma dose extra de paciência dos familiares para repetir duas ou três vezes alguns dos chamados e das ordens que o Buldogue insistir em ignorar.

Cores e pelagem do buldogue francês.

Cores da pelagem A classificação das cores de Buldogues Franceses é objeto de estudo e de muitos debates de vários criadores no Brasil e no mundo. Infelizmente, o Padrão da Raça não é muito específico ao tratar de cores de pelagens e pode abrir margens às interpretações pessoais dos criadores. De modo simples, as cores de pelagem de um Bulldog Francês podem ser simplesmente descritas como fulvo, com uma variedade de marcações e tons possíveis. O fulvo pode variar de tom desde o vermelho vivo e intenso ao café-com-leite e o dourado claro quase creme. As outras diferenças são devidas a variações de marcações, que variam desde o tigrado (listras negras em grau variável de repetição e grossura, que preenchem o fundo fulvo), até o pied (várias marcações tigradas com fulvo em um fundo branco) e o fulvo com máscara negra (fulvo, em suas tonalidades diferentes, com uma máscara negra clássica em sua face e, às vezes em algumas linhagens, em seu dorso também). São infinitas variações de tipos de marcação, de padrão, tamanho e localização nesses parâmetros. Algumas cores como o azul, o cinza, o preto com marrom, o marrom e o fígado, não são reconhecidas pelo Padrão da Raça e são motivos de desclassificação em exposições de estrutura e beleza. Pequenas pintas escuras em cães pied são chamadas de ticking e não são almejadas. Não há uma tradução adequada para a palavra “pied” em português. Os exemplares completamente brancos sem marcações são classificados dentro dos “pieds” para fins de exposições caninas; mas seus cílios e contorno dos olhos devem ser pretos assim como os dos outros Buldogues Franceses.

Buldogue Francês. História e Origem.

O Buldogue Francês é uma raça que encanta a todos, principalmente os fãs desses cãezinhos de nariz achatado. País de origem: França Ano: por volta de 1800 Função original: cão de colo Função atual: cão de companhia Pelagem: lisa, curta, macia e brilhante Peso médio: 8kg a 14kg Tamanho: aproximadamente 35cm Expectativa de vida: 12 a 14 anos História e Origem O Buldogue Francês, também conhecido como Frenchie, é uma raça que deve sua existência a pelo menos três países: Inglaterra, França e EUA. A Inglaterra ajudou com a base da raça, que foi o antigo Buldogue. Criadores franceses transformaram esses pequenos Bulldogs em um tipo francês distinto, e criadores Americanos foram os primeiros a exigir as tão conhecidas orelhas de morcego. Hoje, os Buldogues Franceses são excelentes cães de companhia, e um dos cães mais especiais que existe. Sua carinha engraçada e seu temperamento divertem as pessoas enormemente, então é difícil passear com um Frenchie sem chamar atenção.

Alimentação da cadela lactante.

Como alimentar uma cadela lactante · A fêmea lactante deve receber todos os nutrientes na sua dieta, pois o leite é a principal fonte alimentar para os filhotes após o nascimento. Recomenda-se fornecer um alimento de qualidade, incluindo altíssima palatabilidade para estimular a alimentação, alta digestibilidade para reduzir o volume e alto teor energético, sendo administrado através de várias pequenas refeições diárias, proporcionando condições para a produção de leite suficiente, atendendo a demanda dos filhotes nas primeiras três semanas de idade. Durante a lactação há um aumento da necessidade energética e de outros nutrientes, portanto, recomenda-se um alimento extra e de boa qualidade durante esse estágio da vida. O carboidrato é um componente indispensável. Há alguns cuidados que devem ser seguidos durante a amamentação como: oferecer uma dieta altamente digestível e rica em nutrientes, fornecer a quantidade adequada de calorias para prevenir uma excessiva perda de peso, administrar de duas a três vezes a quantidade de alimento necessária à manutenção durante a lactação, no auge da amamentação optar pela dieta de livre escolha e dar pequenas quantidades de alimentos várias vezes ao dia, água limpa e fresca sempre a disposição, e após há quarta semana reduzir lentamente a quantidade de comida oferecida à cadela. O conteúdo de lactose do leite de vaca é quase três vezes maior que o da cadela. E o leite da vaca contém 15% a menos de proteína do que o da cadela. O leite da cadela possui alto teor de gordura e proteína, sendo assim o seu valor energético é duas vezes maior. Portanto, se filhotes são alimentados com o leite da vaca, podem desenvolver um quadro de diarréia devido à intolerância à lactose.